Febre na gravidez oferece riscos adicionais? Saiba mais!

A febre na gravidez pode oferecer riscos para a saúde infantil dependendo da elevação da temperatura, da duração da febre e do período de gestação1. O primeiro trimestre de gravidez é quando a febre é mais perigosa, pois é nesse período que ocorre a maturação das estruturas ósseas e a formação do sistema nervoso fetal1. Quer entender melhor por que a febre na gravidez gera esses riscos e descobrir como prevenir esse quadro? Confira a explicação logo abaixo!

Por que a febre pode oferecer riscos à gestação

O aumento da temperatura corporal acima dos limites considerados normais na gravidez é uma condição capaz de produzir alterações na estrutura do feto. Isso ocorre porque o aumento excessivo da temperatura estimula a síntese de proteínas de choque térmico, capazes de provocar ruptura da membrana, morte celular, ruptura vascular e infarto da placenta1 2.

Quando a febre oferece maiores riscos

A temperatura do corpo humano considerada normal por estudos clínicos é de até 37ºC e a elevação de 2ºC é um fator de risco para malformações do feto. Febre baixa, com variações de temperatura menores que 2 ou 2,5ºC, raramente ocasionam danos na gestação1.

Como prevenir a febre na gravidez

O uso de suplementos vitamínicos que contêm ácido fólico é apontado por alguns estudos como um aliado na tentativa de reduzir os possíveis danos da febre. Além disso, a vacina contra a gripe é altamente indicada para gestantes por reduzir significativamente a incidência de quadros de infecções virais que podem causar febre1.

Vale lembrar que o acompanhamento médico é essencial durante todo o período de gravidez3. Dessa forma, a prevenção pode ser feita de maneira adequada às condições de cada gestante e, em caso de aumento da temperatura corporal, o médico poderá tratar diretamente a causa por trás do problema.

MAT-BR-2004444