Febre em bebê de 1 ano: como os pais devem proceder no tratamento?

Um estudo observou que episódios de febre em bebê são fonte de altos níveis de estresse para as famílias. Esse sentimento muito comum é conhecido como "fobia de febre" ou "febrefobia" e se deve ao receio que os responsáveis têm de que as temperaturas elevadas possam causar efeitos nocivos e permanentes à saúde da criança.1 2 Saiba mais.

No entanto, a febre em bebê é comum e, geralmente, não indica condições graves, sendo na maioria das vezes, uma consequência de doenças virais inofensivas. Ainda assim, os pais frequentemente se questionam sobre como agir quando os pequenos apresentam temperatura de febre. Mas, afinal, como reconhecer a febre em bebê de 1 ano? Como os pais devem proceder no tratamento?3

Saiba reconhecer a febre em bebê de 1 ano

Um quadro febril pode ser identificado quando a temperatura corporal ultrapassa o valor de 38,1ºC. Essa elevação na temperatura normal do organismo ocorre devido a infecções, processos inflamatórios ou traumas.4 5

A pediatra Fabiane Durão aconselha que os responsáveis sempre façam uso de termômetro para aferir a febre em bebê. "Mesmo que os pais sintam a criança quente, o ideal é sempre colocar o termômetro para verificar se há febre ou não, pois boa parte das crianças costuma ter a cabeça mais quente que o restante do corpo sem estar com febre", explica a especialista.

Compressas frias e antitérmico podem ajudar no manejo da febre

O uso de compressas frias nas axilas, cabeça e virilha e o banho morno são citados pela pediatra como métodos para auxiliar na redução da febre. Mas, essas estratégias não devem ser adotadas de forma isolada, visto que elas não atuam no mecanismo fisiológico da febre.6

Por isso, recomenda-se que essa abordagem esteja associada ao uso de um medicamento antitérmico se houver febre alta em bebê, ou seja, acima dos 39,5ºC. Vale lembrar que o uso de medicações deve ser feito somente com auxílio médico e que a febre, na maior parte dos casos, não precisa ser tratada com medicamentos.4 6 7

Quando a febre em bebê oferece riscos?

De acordo com Dra. Fabiane, não há necessidade de os cuidadores encaminharem os pequenos para unidades de emergência às pressas, a não ser que a temperatura febril não seja reduzida após o uso de antitérmico, banho e compressas. Se a febre alta em bebê for persistente, uma investigação mais apurada sobre as causas da temperatura febril pode ser necessária.2

Outro sinal que deve alertar as famílias sobre o quadro de saúde do bebê é a manifestação de instabilidade cardiorrespiratória, como taquicardia, palidez, pressão baixa e alteração no nível de consciência.2

Médica entrevistada - Dra. Fabiane Ferreira Durão
CRM-RJ: 684635

MAT-BR-2103688