Dipirona dá sono? Dipirona abaixa a pressão? Derrubamos alguns mitos sobre esse princípio ativo!

Apesar de a dipirona ser um medicamento muito popular devido à sua venda livre no Brasil, algumas dúvidas sobre os seus efeitos ainda são comuns: Dipirona dá sono?1 Dipirona abaixa a pressão? Quais são os efeitos colaterais dessa substância? Confira abaixo as respostas dessas perguntas!

Uma pesquisa realizada no Hospital das Clínicas de São Paulo relatou que mais de 50% dos pacientes citaram a dipirona como principal analgésico.1 Além da propriedade de inibir a dor, essa substância funciona como um antitérmico e, por isso, é frequentemente indicada em casos de dor no corpo e febre 2.

O efeito da dipirona na pressão arterial

Na prática clínica, é normal que medicamentos possam gerar efeitos colaterais.3. No caso da dipirona, a reação adversa mais observada é a queda de pressão quando administrada por via intravenosa4. Apesar disso, esses casos representam a minoria dos resultados em pesquisas. Um estudo sobre reações adversas, por exemplo, notificou apenas um relato de hipotensão entre 51 pacientes analisados.5

Devido a esse possível efeito colateral, recomenda-se que a administração intravenosa da dipirona seja realizada de forma lenta, principalmente em crianças e idosos com a saúde debilitada. A probabilidade dessa reação acontecer é maior em pessoas com condição preexistente de baixa pressão arterial, sudorese exagerada e vasodilatação.6

Verdade ou mito: dipirona dá sono?

A dipirona pertence à classe dos analgésicos não-opioides, que incluem substâncias como paracetamol e ibuprofeno7. sonolência é o efeito colateral principal de outro tipo de analgésico, os opioides, substâncias utilizadas no tratamento de dor aguda e câncer, como a morfina e o tramadol8.

Portanto, o ciclo sono-vigília não será afetado pelo uso da dipirona8. A sonolência pode se manifestar se houver uma dosagem exagerada da medicação. Quando o uso da dipirona exceder as necessidades do paciente, o sistema nervoso central pode apresentar essa e outras reações, como tontura, convulsões e coma.6

Efeitos colaterais associados à dipirona

Em comparação a outros analgésicos não-opioides, a administração dessa substância é relativamente segura. Os efeitos colaterais comumente relatados são gastrointestinais, como vômitos, enjoo, dor abdominal e diarreia. Outras possíveis reações adversas incluem dor de cabeça, tontura, disfunções renais e hipersensibilidade na pele2.

O efeito mais controverso do uso da dipirona é o risco de agranulocitose, doença caracterizada pela redução significativa da principal célula de defesa no sangue2 9. Evidências sugerem que o uso prolongado da dipirona pode causar danos ao sistema sanguíneo. Por isso, órgãos da área da saúde recomendam que o uso seja feito com orientação médica e que não exceda 1 semana.2 10

MAT-BR-2100488

Referências bibliográficas:

  1. Benseñor IM.To use or not to use dipyrone? Or maybe, Central Station versus ER? That is the question. Sao Paulo Med. J. Nov 2001. 119(6): 190-191. Acessado em 18/01/2021
  2. Jasiecka A, Maślanka T, Jaroszewski JJ. harmacological characteristics of metamizole. Pol J Vet Sci 2014; 17 (1): 207-214. Acessado em 19/01/2021
  3. Coleman JJ, Pontefract SK. Adverse drug reactions. Clin Med (Lond). 2016 Oct; 16(5): 481–485. Acessado em 19/01/2021
  4. Kötter T, da Costa BR, Fässler M, Blozik E, Linde K, Jüni P, et. al. Metamizole-Associated Adverse Events: A Systematic Review and Meta-Analysis. PLoS One. Published online 2015 Apr; 10(4): e0122918. Acessado em 19/01/2021
  5. Edwards J, Meseguer F, Faura C, Moore RA, McQuay HJ, Derry S. Single dose dipyrone for acute postoperative pain. Cochrane Database Syst Rev. Published online 2010 Sep; (9). Acessado em 19/01/2021
  6. Vale N. Desmitificando o uso da dipirona. In: Cavalcanti IL, Cantinho FA, Assad A. Medicina perioperatória. Rio de Janeiro: Editora da Sociedade de Anestesiologia do Estado do Rio de Janeiro; 2006; p.1107-1123. Acessado em 19/01/2021
  7. Ferreira TR, Filho SB, Borgatto AF, Lopes LC. Analgésicos, antipiréticos e anti-inflamatórios não esteroides em prescrições pediátricas. Ciência coletiva. 2013 Dec. 18(12): 3695-3704. Acessado em 19/01/2021
  8. Gonçalves R, Togeiro SMG. Drug-induced sleepiness and insomnia: an update. Sleep Sci. 2013;6(1):36-43. Acessado em 19/01/2021
  9. Sedhai YR, Lamichhane A, Gupta V. Agranulocytosis. StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan. Acessado em 19/01/2021
  10. Giraldo-Gutiérrez DS, Amézquita-Trujillo A. Dipyrone (metamizole), overrated risks? Rev. colomb. anestesiol. vol.47 no.4 Bogotá Oct/Dec. 2019; 47(4): 257-259. Acessado em 19/01/2021